jusbrasil.com.br
21 de Setembro de 2019

Porque ser contra o Estatuto do Desarmamento?

Oreacionario Blog
Publicado por Oreacionario Blog
há 5 anos

Por Cassiano Pastori

Quem já sentiu na pelé a violência deste brasilzão sabe o quanto é ruim. Somos um dos países mais violentos do mundo e até agora não há fatos que contradigam. Já se tornou comum ver no noticiário pessoas que foram assaltadas e nada puderam fazer e que morreram depois de um assalto (latrocínio).

Quem já foi assaltado ou já teve alguém próximo assaltado, como um parente, deve ter uma ideia do sentimento de impotência que é. O fulano te aponta uma arma, você fica com cara de boboca, entrega as coisas e os bandidos vão embora e fica com a tal cara de boboca vendo-os ir. Ou pode ser pior, você pode receber uma “blitzkrieg”: levar um monte de coronhadas na cabeça e ter sua mochila ou bolsa levada embora. Em ambos os casos você fica ou com cara de otário, ou com cara de boboca, se é que há distinção entre os dois.

O sentimento de impotência impera, já que não há medidas de se defender de maneira igual ao bandido. Mas há soluções, você pode se transformar num Steven Seagal ou Bruce Lee, só é preciso um pouquinho de tempo e treino; pode se tornar mais rápido que o Usain Bolt, para que assim possa sair correndo dos bandidos sem ao menos eles o terem notado; ou melhor, pode usar a capa de invisibilidade do Harry Potter. Neste caso você não necessariamente precisa usar na hora do assalto, mas sempre que sair de casa.

Deixando as gracinhas de lado, pois o assunto é sério, no ponto de vista desta pessoa que lhes escreve o Estatuto do Desarmamento é um incentivo à violência e ao ódio. Incentiva a violência, pois impede que pessoas tenham a liberdade de se defender. Incentiva o ódio, pois impede as pessoas de se precaverem ou de se prepararem para tais situações se algum momento já passaram por situações de violência.

Não vou abordar aspectos históricos sobre desarmamentos. Terei como foco mais os aspetos polêmicos do Estatuto. Se tiverem interesse na história, acessem o link abaixo:

http://www.bhservico.com.br/desarmamento.htm

Sobre o estatuto

Art. 6 É proibido o porte de arma de fogo em todo o território nacional, salvo para os casos previstos em legislação própria e para:

I - os integrantes das Forças Armadas;

II - os integrantes de órgãos referidos nos incisos do caput do art. 144 da Constituição Federal;

III - os integrantes das guardas municipais das capitais dos Estados e dos Municípios com mais de quinhentos mil habitantes, nas condições estabelecidas no regulamento desta Lei;

[...]

Reparem bem, neste artigo, em regra, diz que somente os amigos do Estado podem ter porte arma. Por quê? Por que pessoas leigas não devem ter porte de arma, podem adquiri-las, mas somente em suas casas e estabelecimentos. Se você estiver levando sua arma em seu carro, não pode viu, é proibido o porte de armas para civis (há controvérsias sobre porte de armas em veículos).

Art. 28. É vedado ao menor de vinte e cinco anos adquirir arma de fogo, ressalvados os integrantes das entidades constantes dos incisos I, II e III do art. 6o desta Lei.

Neste artigo é que está contido uma das maiores "sacanagens" do Estatuto do Desarmamento. A intenção do legislador era a seguinte: a pessoa com menos de 25 anos não tem condições psicológicas, autocontrole e maturidade para adquirir uma arma e manusear uma arma de fogo. Ok, tudo parece bem, mas não, não está certo e o legislador foi burro ao pensar assim. Vamos usar a lógica dele: com 18 anos eu não poderia casar, não poderia ter carteira de motorista, não poderia ser preso e muito menos poderia votar. Ah, também não poderia servir o exército com menos de 25 anos. Eu posso fazer isso e não tenho o direito a porte de arma de fogo. Se eu não posso ter uma arma de fogo com menos de 25 anos, não posso muito menos casar! Não há como dizer que o Estatuto do desarmamento tem algum sentido e que é coerente, sinto muito, mas a pessoa que dizer que o Estatuto do Desarmamento tem "algum sentido" não sabe de nada, é inocente.

Falando em “algum sentido”, há aqueles que defendem o Estatuto porque, em caso de alguma briga banal, o sujeito poderia matar o outro desnecessariamente. Ora, eu não preciso de uma arma de fogo para matar alguém, se quiser eu faço isso com um pedaço de pau, uma faca (até pode ser a de cozinha) e até uma caneta eu posso usar para matar alguém. Então, se alguém lhes vier com essa, meus amigos, sinto muito, mas essa pessoa tem problemas.

Há aqueles que defendem que se for possível que todos tenham acesso ao porte de armas, isso poderia acarretar numa guerra civil, pois todos iriam querer fazer justiça com as próprias mãos. Guerra civil... Justiça com as próprias mãos... Tá! Vivemos num país em que acontecem mais de 50.000 homicídios por ano, e o sujeito me vem com essa? E depois a tal da justiça com as próprias mãos, não sei se vocês estão bem informados, mas não é preciso de arma de fogo para fazer justiça com as próprias mãos, a tal da autotutela (vide alguns linchamentos). Não, não sou obrigado a escutar isso.

Falando em justiça, há aqueles que dizem que somente o Estado deve prover a segurança dos cidadãos, caso contrário aconteceria a justiça privada. Vamos levar em consideração o Estado. O Estado, no caso a polícia, não pode estar em vários lugares ao mesmo tempo. Não existe Estado onipresente. Então, eu afirmar que quero ter o direito ao porte de armas é completamente válido, visto a incapacidade do Estado em fazer a minha segurança e, sim, eu quero ter o direito de ter porte de armas.

Depois tem aqueles que dizem que não se poderia banalizar a compra e venda de armas... Primeiro, bandido quando quer tem arma à sua disposição. Segundo, por que não ter um exame psicológico como o da carteira de motorista para o porte de armas ou algum tipo de treino/preparação? Continuo a afirmar, a pessoa que defende o Estatuto do Desarmamento tem problemas sérios!

Dizer que a revogação da lei Lei nº 10.826 seria um retrocesso, que o país voltaria a ser um velho faroeste, que isso aumentaria a violência, entre outros, é baita de um absurdo. É só pesquisar a história, o fatos, a situação que nós estamos para se verificar isto.

Defender o Estatuto do Desarmamento é uma das maiores burrices de nosso país. E quando falo burrice, é burrice mesmo, problema cognitivo, pois até advogados, pessoas bem instruídas, que tem mestrado, a elite intelectual (que de intelectual não tem nada) defendem esse maldito Estatuto do Desarmamento. Portanto, não estamos falando de pessoas ignorantes que não entendem nada do assunto.

Mas, o que é mais espantoso não é que haja pessoas que defendam o Estatuto do Desarmamento. O que mais me espanta é que fizeram um projeto de lei, esse projeto de lei foi discutido, passou pelas duas casas legislativas, o presidente bateu palmas e, mesmo contra a vontade da maioria da população, foi aprovado e até hoje está em vigor e não foi declarada sua inconstitucionalidade. É isso que me dá medo!

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Apenas para corroborar a argumentação do autor, há que se mencionar que nos Estados Unidos, país com mais de 300 milhões de armas de fogo em posse de seus cidadãos, ocorreu um pouco mais de 14 mil homicídios em 2012, enquanto no Brasil o número passou de 50 mil.

Para finalizar, quem quiser se aprofundar mais no tema deve estudar o caso dos EUA, pois o país já passou por um momento de controle maior das armas de fogo, que posteriormente foi afrouxado (situação atual). Portanto, nos EUA há dados do período anteriores às restrições, durante as restrições e posteriores a estas. continuar lendo

Concordo. Isso aí mesmo! continuar lendo

A trairagem começa dentro dos poderes, o governo nos traiu contrariou a maioria e ninguém fez nem faz nada, votamos contra o desarmamento, e fomos desarmados, não temos direito de ir e vir sem o risco de ser assaltado não estamos com direito nem de abrir a porta de nossas casas, enquanto os foras da lei todos tem armas e os que não tem usam até o dedo por baixo da camisa para nos assaltar percebendo nossa fragilidade, cade a segurança? agora estamos a merce dos bandidos. Enquanto taxarem políticos como "autoridades" os que na verdade são funcionários públicos temporários e que na verdade não deveriam mandar em nada apenas administrar a vontade da maioria . Mesmo assim estamos vivendo uma monarquia disfarçada pois somos obrigados a votar e aceitar uma imensidão de contrariedades pois tudo é feito para beneficiar a "maquina da roubalheira" sem se importar com o suor dos cidadãos. espero que nossa população um dia acorde, para que não continuemos sendo tratados como gado... continuar lendo

É de tamanha relevância o acesso as armas de fogo por qualquer cidadão de bem. É uma questão de cidadania e respeito aos direitos individuais das pessoas. continuar lendo